<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d13038237\x26blogName\x3dAb%C3%B3bada+Palatina\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://abobada-palatina.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://abobada-palatina.blogspot.com/\x26vt\x3d-8593313784831305974', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script> <iframe src="http://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID=13038237&amp;blogName=Ab%C3%B3bada+Palatina&amp;publishMode=PUBLISH_MODE_BLOGSPOT&amp;navbarType=BLUE&amp;layoutType=CLASSIC&amp;homepageUrl=http%3A%2F%2Fabobada-palatina.blogspot.com%2F&amp;searchRoot=http%3A%2F%2Fabobada-palatina.blogspot.com%2Fsearch" height="30px" width="100%" marginwidth="0" marginheight="0" scrolling="no" id="navbar-iframe" frameborder="0"></iframe> <div id="space-for-ie"></div>

Abóbada Palatina

Um blogue que se escreve com 'gue'. Um humor à altura. || Digam coisas e assim ||

quinta-feira, junho 30

Saudades do PREC

«Há quinze dias consegui, num telefonema às quatro da manhã, evitar que ele se demitisse».

[com este título, as citações poderiam naturalmente ser outras: «só quando dá trabalho é que dá gozo» ou «Vamos ser homenzinhos» figurariam dignamente em qualquer série de posts relacionados com o PREC]

As time goes by (com retroactivos)

Com a queda política de 'dom' Fraga Iribarne, alguns galegos espantar-se-ão com as notícias que vão ouvir. E olhem que a morte de Franco talvez nem seja a mais importante.

quarta-feira, junho 29

Julgamento popular!

A partir de uma ideia peregrina, vai realizar-se um desfile alegórico necro-kitsch-brega-regionalista, no qual se procurará reconstituir um possível trajecto de Inês de Castro e do rei Pedro desde a cidade de Coimbra até ao mosteiro de Alcobaça, onde ambos jazem em corpo. Com actores e figurantes pagos para armar a festarola, individualidades do poder autárquico no palanque (por certo ombreando com Tino de Rans), música e pendões. O dr. rotwang sugere apenas uma coisa: que se prolongue a festa até à porta do Dr. José Pacheco Pereira. Para que este pague pelo crime cometido pelo seu antepassado, comprovado assassino da galega. Consumar-se-ia de tal forma a chamada justiça histórica.

Escolaridade

Num estudo sobre ambiente no Porto, concluiu-se que

«são os mestrados e os pós-graduados os que pior opinião têm da qualidade do ar, com 100 e 42,9% dos inquiridos respectivamente a acharem que o ar é mau. Entre os mais optimistas estão os que têm o 12.º ano e os bacharéis, respectivamente com 26,4 e 26,1% dos inquiridos a acharem que o ar é bom».

Os que não possuem qualquer grau de escolaridade acham que o Porto é na realidade uma aldeia rodeada por frondosos bosques. Dez em cada dez também confundem semanalmente a brigada do Regimento de Cavalaria da GNR com o leiteiro e o azeiteiro, típicos do Portugal oitocentista, e pelo menos quatro em cada dez já pediram «um litro do costume» directamente ao cavalo.

Dominação masculina, Bourdieu dixit

Falando ontem no Jornal da 2:, o bastonário da Ordem dos Médicos afirmou que uma violação não é razão suficiente para um aborto, porque «a criança que vai nascer não tem culpa que o pai seja um criminoso». Não está nada mal visto. A não ser, obviamente, que ele seja preto. Ou que ela seja puta.

segunda-feira, junho 27

Teoria macro para principiantes (ou administradores da Galp)

Sócrates está a ser criticado porque o Orçamento Rectificativo prevê que as despesas correntes do Estado absorvam 50.2% da riqueza nacional. Exagero da oposição. Em sua defesa, o governo pode sempre argumentar que somos um país pobre. Logo, em termos relativos, esses 50.2% anuais do Estado português serão sempre uma ninharia quando comparados com os gastos semanais de um adolescente espanhol em bollycaos.

domingo, junho 26

É da gastronomia, senhores

O Pew Research Center inquirou alguns milhares de pessoas e concluiu que a China tem uma melhor imagem no mundo do que os EUA. Só o mais indefectível dos neoconservadores se espantará com isso. Não há Big Mac algum que consiga vencer um 69.

A seguir será o Conde e a jovial carcaça Grafestein

Luís Filipe Vieira, prusidente do SLB, foi «recebido em clima de êxtase em Cabo Verde». Hã?

sábado, junho 25

ETT´s (modelo anglo-saxónico)

Tony Blair afirmou recentemente que «a Europa deve investir em empregos e não em vacas». Uma ideia com profunda assertividade, ou não conhecêssemos nós a quantidade de vacas que por aí andam à procura de emprego.

Merdadblog

O http://mehrdadblog.blogspot.com nao é aquilo que parece. Falta-lhe o ue.

sexta-feira, junho 24

Homenagem

pickpocket
À carteirista anónima, com o respeito e o reconhecimento do dr. rotwang.

Blog(ue)ar em 20 lições e coisa [4]

lixo
Como na sopa da pedra, tudo se aproveita. Principalmente aquilo que não for biodegradável.

quinta-feira, junho 23

Serviços máximos

A propósito da greve dos professores em época de exames, sindicatos e governo andam a animar juristas com definições opostas de «serviços mínimos». Tinta a mais para uma evidência basilar: numa jornada de luta, não se pode exigir aos grevistas o mesmo trabalho que teriam fora dela.

Tese/antítese

O Público noticia que «o PCP retirou a confiança política ao autarca [...] da CDU no Alandroal, acusando-o de 'traição' aos eleitores e ao partido por aceitar ser nomeado para vereador a tempo inteiro pela gestão socialista da câmara». Rui Sá, vereador numa câmara do Porto liderada pelo PSD/CDS-PP, será recandidato pelos comunistas em Outubro e Jerónimo de Sousa até o apelidou de camarada. Há por aqui uma concepção muito heterodoxa de Marx, que escapa a quaisquer interpretações mais imediatas.

«Ó Maria, traga-me um morango, rápido!»

Quando está uns dias a morar no seu T-0 alugado a um preço exorbitante, o dr. rotwang costuma comer em casa da D. Alcinda, que é mesmo do outro lado da rua. Em casa da D. Alcinda a televisão está sempre ligada no canal e na hora exacta da telenovela portuguesa mais próxima. Foi assim que ele aprendeu hoje o seguinte: os portugueses pobres são todos criados, jardineiros ou motoristas, e tratam-se entre si por «vocemecê». Os ricos tomam chá com a mão esquerda enquanto trincam morangos inteiros que seguram com a mão direita. O dr. rotwang ainda precisa de muito treino para se poder naturalizar.

Lamentável

Uma notícia contundente sobre o atraso cultural deste país:

«Uma mulher de 45 anos de idade ficou durante uma semana sequestrada na própria casa e mais de 24 horas presa com uma corrente de 13 quilos a um tanque de lavar roupa» [do Público a cadeado].

Portugal, 2005: ainda há quem use tanques para lavar roupa.

- Houston? Passa-se alguma merda que não devia.


quarta-feira, junho 22

O vice e o versa

Ficamos a saber pelo sempre vigilante Correio da Manhã que Portugal lidera na guerra ao aquecimento global. Claro que isso é tão realista como acreditarmos que Tiago Monteiro foi mesmo competitivo no Grande Prémio de Indianapolis. Uma forma mais comedida de ver as coisas é que Portugal está com um tecido industrial tão robusto quanto as Ilhas Faroé.

Nem para fugir à polícia, pá

Mais um rude golpe na auto-estima nacional: o português suspeito de um homicídio no sul de Inglaterra foi interceptado pela polícia no País Basco. A muito custo, lá conseguiu captar a atenção de uma brigada de trânsito. Quando o mandaram parar, conduzia um carro sem matrícula.

terça-feira, junho 21

E até sabem o que é o esternocleidomastóideo

Uma sondagem online, ainda a decorrer, feita pelo jornal estudantil coimbrão A Cabra, que pretende saber a opinião dos universitários sobre qual o melhor sítio para estudar, tem nesta altura (22:27 de 21.06.2005) os seguintes resultados: em casa 33,3%; nas cantinas 16,7%; num café ou esplanada 5,6%; numa biblioteca 13,9%; não estudo 30,6%. Aqueles que constituem este último grupo não devem ser mal interpretados, pois andam a trabalhar para se tornarem veteranos, i. é, espécimes do grau maior da praxis académica. Boa sorte, pessoal!

Simples como o tempo

Segundo a TSF,
«[o] ministro da Saúde considera 'irrelevante' que existam 224 mil doentes em lista de espera para uma cirurgia. Correia de Campos defende que o mais importante é saber se é possível diminuir o tempo que os doentes aguardam por uma intervenção cirúrgica.»
O dr. rotwang, sempre disponível para apoiar o Estado em matérias sensíveis (nacionalizar a Rita Andrade, por exemplo), tem uma dica para o ministro. Caro amigo: uma forma muito simples de acabar com essa sua inquietação sobre prazos de espera para o bisturi será, obviamente, prolongá-los mais um pouco. Uns meses, no máximo 1 ou 2 anos, e a lista começará a diminuir drasticamente. É que ele há coisas por que o tempo não espera.

Observação de um não eleitor local

Se subtraírem os espaços em branco aos «38.760 caracteres de ideias» que Manuel Maria Carrilho tem para Lisboa, vão ver que a coisa nem chega para um infomail.

segunda-feira, junho 20

1 mês

A Abóbada faz hoje um mês. O dr. rotwang ainda se está a ambientar a isto, mas já dá para perceber que um blogue é muito parecido com um cágado. Só que ao contrário do que aconteceu com o Frederico, aqui não há o perigo do blogue cair da varanda do 5.º andar. Para assinalar a data, homenageando o modesto contributo dos leitores para o aumento do deficit ao visitarem este blogue em horário de expediente, o dr. rotwang decidiu oferecer-lhes alguma coisa. Com este post já não iam mal servidos, mas pode haver um pouco mais. Surgiu a ideia de subscrever o Público on-line e colocar aqui gratuitamente os dados do registo, mas o pessoal já se habituou ao DN. Outra hipótese seria aderir ao clube de fãs da Isabel Figueira e pilhar para aqui as fotografias exclusivas, mas não gostaria que a minha pessoa fosse considerada tão machista (isso e o preço de adesão, pronto). Por isso, aqui fica uma prendinha para removerem a barra de navegação lá de cima e embelezarem os vossos blógios:


remover, 1

remover, 2

remover, 3

remover, 4

remover, 5


Assim, quando PJ suspender a Abóbada, já dá para dividirmos as penas e ser um de vocês o violado por reclusos-em-chefe com quase tão mau aspecto como o Cristiano Ronaldo.


domingo, junho 19

Querido Líder

Eu sou o presidente
O presidente da câmara de Vila Real não gostou da fotografia escolhida para ilustrar uma entrevista sua a um jornal local e mandou recolher centenas de exemplares, propondo uma reimpressão paga pela autarquia. Confrontado com o escândalo público, Manuel Martins (este claramente sem D.), recuou, como seria de esperar, e diz agora que paga «do próprio bolso». O que ninguém lhe explicou foi que, neste caso, a emenda acabou por borrar o soneto. Em ambas as imagens o senhor está feiote, convenhamos, e pouco poderá fazer-se. Mas assim como ele quer fica a parecer-se com um qualquer Querido Líder. (Um conselho, Querido: arranje-me essas sobrancelhas!)

Bolero

Assim em castelhano...
Se me rompe a pedacitos el corazón poquito a poco, solo de pensar en que te estoy perdiendo a pesar de que nunca te llegue a tener. Es bueno tener una amistad como la tuya pero me cuesta ver que mi castillo de arena cae granito a granito. No soy persona conformista y por eso me niego aceptar el destino de mi vida. No quiero pasar estos dos años sin ti, me niego a pensar que no pueda amarte a solas como antes lo hacia. Yo ya no se como vivir así, vivir sin tus besos es el peor castigo que me podría dar la vida. Aun tengo la esperanza de que exista algún momento en que pueda estar contigo a medias en esta agonía que se presenta sin remedio. La vida es triste, pero aun más triste sin ti. No quiero pensar que seria si nunca más te tengo entre mis brazos, si nunca más estoy bajo tus besos. Una vida así es imposible, así que al menos seguiré soñando.
... isto soa a bolero, não soa?

O estranho caso do arrastão que veio por arrasto

«Foi uma acção inconsequente»Até há bem pouco tempo (hoje, digamos), a imprensa portuguesa recorria a aspas, itálicos ou a um organograma de Manuela Moura Guedes sempre que se referia ao arrastão de 10 de Junho. Ao contrário dos jornais brasileiros, que usam ostensivamente esse conceito sem artifícios de estilo, aí estava um sinal mais do nosso subdesenvolvimento criminal. Acontece que uma edição recente d´A Capital vem esclarecer tudo. Afinal, utilizavam-se aspas porque o arrastão não passou de uma figura tridimensional obtida por registo, em chapa fotográfica, dos efeitos da sobreposição de duas ondas provenientes de uma mesma fonte luminosa: «um holograma», terá sintetizado o jornalista responsável pela descoberta, dando como exemplos do mesmo fenómeno o alerta de onda gigante que em 1999 deixou as praias do Algarve desertas e Pedro Santana Lopes. Aguarda-se agora que o Independente e a revista Maria retomem estes desenvolvimentos para concluírem em definitivo que tudo não passou de uma acção de campanha de Manuel Monteiro e da sua Nova Democracia para tornar Pamela Anderson nadadora-salvadora da praia de Carcavelos (ou, em alternativa, Margarida Rebelo Pinto como mastro de bandeira).

Da série, Frases que impõem respeito

«Não parei. Tomar, até o tomei. O problema é que foi sem preservativo».

[em processo hegeliano: do latim cornu; género típico das cornáceas]

sábado, junho 18

Reasonable Doubt [2]

Será que os portugueses vítimas de racismo na Irlanda do Norte vão enviar uma faixa para a manifestação da Frente Nacional?

Aviz

O nosso homem entre atlânticos faz dois anos. Espero que lá para o terceiro aniversário seja possível dar-lhe os parabéns pessoalmente, oferecendo uma versão autografada deste blogue (e um table dancing num clube de brasileiras) numa ida ao Livro Aberto.

Nova comitiva ao estrangeiro?

Jorge Sampaio vai visitar na próxima semana «bons exemplos» empresariais.

sexta-feira, junho 17

(e com pulseira electrónica, já agora)

refrescândôFátima Felgueiras e quatro desempregados lá da terra decidiram lançar uma campanha pela sua recandidatura à edilidade. O slogan - «Sempre Presente!» - está muito bem escolhido. Se por um lado demonstra a cabal receptividade dos autarcas portugueses às novas tecnologias (no caso, o teletrabalho), por outro lado não deixa de antecipar com alguma resignação o regresso de Fátinha a Portugal. Numa cela 3x4, sempre presente é um eufemismo que denota prestimoso potencial criativo.

Cruz Vermelha lança acção de sensibilização rodoviária

A campanha consistirá num olhar reprovador, quase paternalista, lançado aos sinistrados pelos condutores de ambulâncias da CV. Nos casos mais renitentes, uma tômbola indicará dez cadáveres por dia que levarão um carimbo roxo tendo em vista sorteios com rifas pelos semáforos de todo o país.

Um emigrante português é procurado por homicídio em Inglaterra

Pois não está claro que o homem foragido à Interpol é José Mourinho? Uma pessoa ouve-o a falar inglês e torna-se cúmplice de assassinato do idioma.

quinta-feira, junho 16

Blog(ue)ar em 20 lições e coisa [3]

blogando_3
Não avançar ao primeiro impulso. Pensar também em toda a responsabilidade que implica a vinda ao mundo do blogue que se pretende procriar.

Epitáfios para a imprensa (em modo automático)

Álvaro Cunhal, , revelou-se um homem a quem . É por isso que gostaríamos de salientar nesta hora tão pungente , pelo que é premente associarmo-nos à dor colectiva e lembrar com a candura possível .

Reasonable Doubt

O Jornal da Madeira pode ser considerado imprensa estrangeira?

Este post é sobre as novas regras do governo chinês, impostas via Microsoft, para se aceder à Internet no país


Bad [3]

Omar Reece tem 25 anos e deslocou-se propositadamente de Illinois para se manifestar no fim do julgamento de Michael Jackson. Disse este anónimo devoto que «as pessoas têm tentado há 20 anos destruir a carreira de Jackson, o seu nome. E cada vez ele volta melhor, mais forte, imbatível». As pessoas? Esforço inútil para uma discografia que seria já critério suficiente.

Da série, Frases que impõem respeito

«Antibiótico. Se bem me lembro, antibiótico era o apelido dele».

[em processo dialéctico]

quarta-feira, junho 15

Bad [2]

Inspirado nos monólogos de abertura de Jay Leno e Conan O´Brien, o dr. rotwang prossegue a exploração temática de Michael 'Wacko' Jackson. Porque diz-nos a imprensa que Jackson não reagiu ao veredicto do tribunal. Relata o Público de ontem que o homem desbotado terá mesmo ficado «em transe» quando ouviu 'not guilty'. Convém acrescentar, para melhor se compreender essa aparente indiferença, que nenhum membro do júri (nem o próprio juiz) eram under 16.

Sinais da crise

É triste, mas estamos em época de queda de narrativas: Batman agora dirige um utilitário (título d´O Globo). Aguardam-se as suas declarações sobre o mensalãogate.

Biscates?

Alguém na cena do quarto episódio: Who's That Woman? de uma série que nunca vi:

Gonçalo

E Gonçalo M. Tavares:

'Who´s That Woman?'

A militante pós-25 de Abril no funeral de Cunhal

«O Cunhal esteve sempre presente em casa dos meus pais. E, graças a Deus, é graças a ele que tenho a minha liberdade».

O jornalista da TVI no funeral de Cunhal

«[...] manteve-se fiel aos seus ideais, mesmo quando caiu o Muro de Berlim e o chamado socialismo rural... [silêncio] real. E agora as pessoas começam a cantar a Internacional Socialista».

Bad

Jackson
Michael Jackson foi considerado não-culpado dos diversos crimes de natureza pedófila dos quais era acusado. Para a história judicial dos USA ficam declarações pós-julgamento, sem importância alguma, como as de Raymond Hultman, um dos 12 untados (perdão, jurados), que afirmou: «Era como se tivéssemos um armário a abarrotar de provas e mesmo assim precisássemos de mais». Ou as do pai de Michael, de acordo com o qual aquilo que o filhinho descolorido «não vai voltar a fazer» é mesmo, tal como antes inocentemente fazia, «partilhar a sua cama com as crianças que convida para visitas a Neverland». A partir de agora só vão jogar à apanhada.

Roupa nova

colete.jpgNo próximo dia 23 entra em vigor a «lei do colete». Ficarão dispensados de usar este arreio reflector de coloração acentuadamente sixtie os jogadores de futebol em traje de trabalho, garçons e paquetes, campinos e toureiros, playmates e coristas, assim como estudantes da Universidade do Minho em mangas de camisa e imitadoras de Dolly Parton. De início, a acção da polícia será de natureza dissuasora (do género, «Pá, você não saia do carro com esse casaco de cabedal com parafusos, porcas e tachas de latão, que ainda me é atropelado!»). Mas depois passar-se-á à acção directa, exigindo-se dos faltosos, enquanto não adquirirem a referida peça, que mudem os pneus cantando de forma sonora canções tirolesas, facilmente audíveis à distância, ou então que procedam a imitações de Luís Piçarra ao mesmo tempo que dão à manivela para elevarem o macaco. Na Região Autónoma da Madeira esta medida apenas será aplicada no ano de 2035.

terça-feira, junho 14

Equipamento auxiliar

No passado fim-de-semana, as calles de Madrid foram invadidas por um movimento de ciclonudistas. Uma forma legítima - embora um tanto ou quanto desconfortável - de reinvindicar mais vias para bicicletas. O mais preocupante é mesmo a total ausência de notícias sobre os selins.

Esta é a primeira página do DN de hoje

'Fico sempre bem'

E por pouco o BPN não conseguiu o golpe publicitário mais sibilante das últimas décadas.

segunda-feira, junho 13

«Não sei como vieste, / mas deve haver um caminho / para regressar da morte»

A morte, pá, é uma gaja sobranceira. Mas na verdade (termo profilático) os seus motivos são insuflados como jogo de sedução em casa de alterne. A morte é uma sopeirinha deslumbrada por conduzir sozinha uma ceifeira debulhadora com barra de corte de 3 metros onde cabiam pelos menos seis homens e um cão. Só isso. Não tem mais do que aquela autoridade institucional de um GNR com fraca articulação mental que nos manda parar o carro: e nós obedecemos. Porque quando bate à porta do quarto (é quase sempre à porta do quarto, excluindo o Iraque e as estradas nacionais), a morte sabe que é perfeitamente provável que lhe cuspam um imenso ridículo. Diz-lhe a experiência que pode encontrar homens que já estão mortos embora vivos. Ou outros que já estão vivos embora mortos.

Para desopilar as pilecas

Foda-se, Tulius! Este é um blogue que se escreve com 'gue'. Também podia ser um blogue que muda de cabeçalho. Que não se leva a sério. Que responde aos e-mails com imagens de pornografia gay. Mas é sobretudo um blogue cuja leitura é francamente desnecessária. E que por isso não amplifica, não acumula tensões, não manda recados. O post, ainda que o tenhas entendido noutro sentido, era tudo menos lateral ou enviesado. Era mesmo objectivo. Chama a atenção dos três leitores da Abóbada para uma discussão em que o dr. rotwang gostaria de participar (nessa e na das ampolas, tema que ainda se postará). Isso é o importante. Rabiscadelas na porta da casa de banho. A nossa mijadela bípede que a Maria Filomena Mónica acha assim tão in-su-por-tá-vel. Por isso, pá, deixa-te dos enlaces a, b ou c (até porque só sei contar até 5), do que funciona ou não funciona, das aspas e do Sudão. Porque estava de facto a 180º. Continua a escrever bem. E obrigado por me teres dado a hipótese de escrever um post com a expressão «desopilar» sem que houvesse uma piada muito óbvia. Agora vou rebentar bolinhas disfarçadas de misunderstands e fazer de conta que vinham a embrulhar a Kirstie Alley para o escritório (em versão estante com escrivaninha e candeeiro de pé embutido).

Já os guetos, pá, isso há em todo o mundo

«O presidente da Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo (APAVT) manifestou-se ontem preocupado com o impacto que o ‘arrastão’ na praia de Carcavelos pode ter no turismo».

O Silva dos Plásticos e o outro

Bono e Silva dos Plásticos
Bono, meu, relaxa, sai dessa!

domingo, junho 12

No papo

Abelino
A pessoa mais importante de Marco de Canaveses é Cosmo Kramer. Antes era Carmen Miranda, mas esta tem-se mantido calada. Cosmo é presidente da Câmara, contra «ratazanas e toupeiras», «cães ranhosos» e «o pessoal do estrume». Garante que, para ele, «cultura é a do feijão e das couves» e que a quem não pensa assim, «são uns doutores com a mania de intelectuais», que merecem «umas murraças no focinho». Vai agora concorrer à edilidade de Amarante, concelho no qual conta ocupar, no coração dos munícipes, o lugar da Sra. Dona Agustina, amarantina ilustre, porém distante. Na opinião de Cosmo, os concorrentes mais conhecidos - Amadeo 'o Sousa-Cardozo' e Teixeira 'o Pascoaes' - estão no papo. Também se não estiverem levam um soco nas trombas.

Coração de manteiga

Cosmo
Avelino Ferreira Torres é, na conhecida série norte-americana de televisão, o vizinho mais próximo da porta de Jerry Seinfeld. É alguém que torna a vida de Seinfeld particularmente agitada, pedindo-lhe tudo emprestado e partilhando com ele o frigorífico dele. Avelino planeou um dia a compra de uma galinha, com vista a manter em casa um stock permanente de ovos frescos, mas depressa descobriu que, inadvertidamente, tinha comprado um galo. A vida deste homem é, tal como o exemplo bem demonstra, particularmente agitada e feita de equívocos. Todavia, lá bem no fundo do seu fundo, Avelino é um coração de manteiga.

{última hora} Coreia do Norte vai ser rebaptizada de «Sol»

solaris
Parece que a Coreia do Norte cortou as comunicações com o estrangeiro. As associações de defesa dos animais já contestaram, porque consideraram «bárbaro e medievo» que tantas centenas de pombos-correios fossem assim mutilados através de fisgas com caroços de pêssego e ossos de dissidentes. Em conferência de imprensa, fonte próxima do governo de Pyongyang assinalou aos correspondentes estrangeiros presentes (um satélite espião dos EUA) que tudo não passa de uma tentativa de «moralização nacionalista» dos norte-coreanos: «as paradas militares já não convencem ninguém, até porque não temos dinheiro para o fuel dos tanques. Nem para o rancho dos soldados». O poder político, com efeito, procura agora convencer os seus cidadãos que a Coreia do Norte é uma estrela composta de hidrogénio e hélio com magnitude absoluta igual a cinco, pelo que o país será rebaptizado de 'Sol'. Como confidenciou Kim Jong-il à sua poupa, «sabemos que o Sol realizou cerca de 250 revoluções completas até hoje. E como os norte-coreanos não vêem raios de sol há algumas décadas, acreditam. Temos é de acabar com a propaganda lançada pelas nações subdesenvolvidas e encomendar uns pacotes de auto-bronzeadores». Quem não ficou muito satisfeito com o corte de comunicações foi um saco de Arroz Cigala que está emigrado na Coreia do Norte «ainda os grãos eram ensacados em serapilheira» e que costuma aceder todas as noites a um chat onde conhece «feijões malandros». O saco de arroz é na realidade o único habitante da capital que tem ADSL. Os restantes não quiseram falar com a Abóbada, não sabiam falar português, não têm forças para articular os maxilares ou estavam mesmo mortos (mas muito bem conservados).

Da série, Frases que impõem respeito

«Já tens os resultados das análises?»

O mundo preocupado com o Sudão e só nós a debatermos coisas importantes

Mais imperscrutável do que a deslincagem,

«[a]cto no qual o indivíduo retira do seu blogue um determinado link. Como quem diz, a existência é tão coerente comigo que não ousa oferecer-me o convívio de alguém com ideias estúpidas»,
são aqueles camaradas que recomendam um blogue num post e depois não o chegam sequer a linkar. Embora possamos teorizar um problema de cada vez.


sábado, junho 11

Arrastões

Chamem a polícia!
A propósito dos incidentes na praia de Carcavelos, comprova-se uma vez mais o papel da comunicação social na dramatização da violência urbana e na criação de imagens de medo sobre o real. Para quem está habituado ao arrastão do fisco português, será mesmo necessário dar tanta relevância a isto?

sexta-feira, junho 10

10 de Junho

Portugal?Como hoje é dia de masturbação territorial e o dr. rotwang ainda aspira a receber uma medalhinha para meter no prego, convém ir treinando umas palavras de circunstância. Assim, exalta-se:
1) Camões, naturalmente, que teve a infeliz ideia de se finar no ano em que a capital de Portugal passou para Mérida e assim perdeu o melhor da festa;
2) idem, que percorreu alguns lugares do além-mar português e entre Babel e Sião percebeu logo «quantos enganos/faz o tempo às esperanças», sintetizando com acutilância a história recente do país (aí os últimos 450 anos);
3) idem, ainda, porque ao escrever qualquer coisa sobre a «Taprobana» fez os espanhóis invadirem ao engano aquilo que julgavam ser uma terra de praias, coqueirais e mulheres em biquinis de tripa de porco dispostas a vender o corpo por caramelos de Vigo;
4) os próprios espanhóis, que em boa hora se depararam com uma padeira gorda, feia e de bigode generoso, daí extraindo a metáfora de uma país e a dimensão de um erro;
5) a D. Urraca, que com esse nome só poderia realmente ter sido embrião a partir dos espermatozóides da avantesma que lançou as raízes de um país assim;
6) os africanos, que desencadearam uma guerra colonial contra Portugal e apesar de três décadas sem tutoria ainda não nos conseguiram ultrapassar no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano da ONU, o que sempre confere algum conforto comparativo;
7) os chineses, moldavos, ucranianos e romenos que vêm chegando em força e permitem demonstrar o carácter altamente especializado e competitivo dos nossos recursos humanos, já que despertam sentimentos xenófobos porque disputam com eles sectores-chave da economia nacional: lavagens de pára-brisas com urina da manhã, construção civil (na óptica do utilizador), malabarismo no Cardinali e produção de matrioshkas no Vale do Ave;
8) os africanos novamente, porque ocupam exactamente os mesmos domínios de actividade mas conseguiram que os portugueses socializassem que o que eles fazem é mesmo trabalho de preto;
9) os Ornatos Violeta, que em 1999 lançaram o álbum O Monstro Precisa de Amigos, antecipando desse modo uma política de afectos para combater o deficit, a candidatura de Avelino Ferreira Torres à Câmara de Amarante e Júlia Pinheiro diariamente na TVI;
10) os portugueses em geral, por celebrarem este dia ignorando-o notavelmente;

Então é por isto, pessoal

Um conjunto de investigadores da Universidade de Haifa demonstrou recentemente que a interpretação de mensagens literais está relacionada com a parte esquerda do cérebro. E que a incompreensão de conteúdos subliminares, como a ironia e o sarcasmo, indiciará lesões na zona frontal e/ou direita. Claro que o estudo não cobriu todas as circunstâncias que o desmentem, como achar-se piada a um texto de João César das Neves. Mas comporta alguns avanços relevantes: caso não percebam algum post da Abóbada, por exemplo, talvez seja inteligente aderirem a um seguro de saúde. Com todo o tempo que se aguarda por um neurologista no SNS, a coisa ruim ainda verte para o lado esquerdo.

quinta-feira, junho 9

Os Miseráveis

A direita portuguesa anda tão apagada, tão desnorteada, tão pacóvia, tão pãozinho-sem-sal, que nem para piada de blogue serve.

Bilha quebrada

Os tempos que correm declaram que «o vereador comunista da Câmara de Lisboa, António Abreu, vê com bons olhos que os tradicionais casamentos de Sto. António integrem num futuro próximo casais homossexuais». Questionado sobre se gostaria de ver casamentos entre pessoas do mesmo sexo naquele evento, Abreu terá mesmo afirmado que «é nesse sentido que se deve ir». Aguarda-se a todo o momento que Jerónimo de Sousa desminta publicamente esta posição, pois a classe operária, se sabe disto, não deixará de pensar «mas qu'esta merda?!» e de penalizar fortemente o PCP. Pior: se tal não acontecer rapidamente, o candidato Rubem de Carvalho poderá também propôr, «caso seja eleito», alterações profundas na dinâmica socio-erótica e na caracterização simbólica das marchas populares.

Solução Semi-Final

abordagemSegundo o jornal Berliner Kurier - leitura imprescindível do meu desayuno, como se diz aqui em Espanha - os responsáveis da cidade do Reichstag esperam que, durante o Mundial’2006, cheguem à cidade cerca de 40.000 prostitutas, do país e do estrangeiro, para oferecerem os seus serviços a uma clientela, segundo dizem, «entusiasmada pelos jogos». «Naturalmente, o Mundial oferece a oportunidade encher as caixas e os negócios vão correr bem», declarou Katharina Cetin, de uma associação de apoio às prostitutas. Colónia e Dortmund terão cabanas que estarão à disposição das raparigas (e dos rapazes, suponho), bem como dos seus clientes. Na primeira das duas cidades existirão mesmo boxes da prostituição equipadas com casa-de-banho, duches e outros apetrechos. Diria que as autoridades boches não precisaram penalizar a função pública para resolver problemas imediatos de caixa. Herr Joschka Fischer deve achar isto muito verde.

Linguajar

Ciclicamente, umas quantas luminárias reúnem-se em congressos para apelar ao resgate da «língua galega» e respectivos particularismos. Ainda não repararam, claro está, que a principal vantagem cultural do galego reside na dobragem de filmes pornográficos. E que, como tal, o seu maior usufruto linguístico só poderá advir do cunnilingus.

quarta-feira, junho 8

anotado: «escrever em breve um post genealógico sobre a Abóbada»

Sobre o self da Abóbada, algumas entradas no moleskine para memória futura:
a) questionar como podem existir vidas tão inúteis;
b) observar que há quem apelide o blogue de Abóbada Platina ou Abóbora Palatina, o que permite desde logo menorizar qualquer esforço criativo na escolha do título original (que consistiu em assistir, por mero acaso, a um anúncio de Tantum Verde);
c) observar que há quem simplesmente apelide o autor do blogue de «filho da puta» (ou, mais refinadamente, de «jornalista»), o que não está nada mal visto;
d) observar que há quem julgue que Abóbada Palatina é uma freguesia contígua a Atouguia da Baleia e perca longos minutos a consultar posts passados para saber se a nota de 10.000$ que ainda tem lá em casa pode ser trocada na câmara municipal;
e) salientar que os visitantes anteriores ainda tiveram de pagar a deslocação do técnico da PT, porque não conseguiram aceder à Internet a partir do canal AV da televisão; e ainda não perceberam que Atouguia da Baleia não é concelho, pelo que dificilmente encontrarão a câmara municipal;
f) dizer aos restantes que leram o ponto anterior e se estão a rir dos vizinhos de Atouguia da Baleia que aqui também não há proximidade com Frielas nem se produz palmito;
g) ...

Doidona

Nana Mouskouri
Acredite-se ou não, esta mulher despertou grandes paixões na década de 1960. Entre Peniche e Vladivostok, para ser mais preciso. Para Nana Mouskouri não havia Guerra Fria que não pudesse ser aquecida. Talvez fossem aquelas dioptrias. Ou aquela boca, aquela voz, aquelas palavras: «Toute la nuit, / Entre l'ennui /Et le sommeil, / Toute la nuit / Entre le rêve / Et le réveil, / Moi, pour m'évader, je m'envole. / Je croise des galaxies, je suis folle.» Tonta!

terça-feira, junho 7

É tudo um jogo de espelhos (em tubos de ensaio reciclados)

Looking backwardEntre outras coisas, o PT de Lula é agora acusado de subornar deputados. Qualquer Torquemada é virtuoso no seu pecado. Mas acontece que amanhã começa em Brasília o 4.º Fórum Mundial contra a Corrupção. Logo, é evidente que este caso não passa de mais uma brilhante estratégia da esquerda alter para comprovar as debilidades idiossincráticas do capitalismo, integrando-se perfeitamente no actual target mediático desta globalização vampírica. Uma manobra aproximada aos velhos toupeiras do KGB, mas com mais dinamismo e apelando à participação do público. Do género: «Estão a ver 72 anos de comunismo (com aspas), uns gulagzitos, primeiras-damas de bigode, uma infestação mundial de ideologias mal paridas e a Zita Seabra?» Pois bem. Um sincero obrigado pela vossa paciência. Não é por aí que vamos.

Ressaca

Ele e Ela
Não tentem repetir a minha experiência radical de ontem. Estive a ler um livro excitante com um título excitante - Portugueses, do nosso PR - em simultâneo com música ambiente recuperada de um malão que tinha no sótão. Acho que me fez mal. Vou tomar dois Trifene 200, uma botelha de água mineral. Meter um saco com gelo sobre a cabeça.

Estónia x Portugal

O dr. rotwang necessita dos vossos conselhos sobre o jogo de quarta-feira: antecipem certezas sobre o resultado final no Super 14 do Totobola Extra. Um bom indicador, claro, para escolher o contrário.

Medidor de concentricidade

É um desafio empírico: desde que a literatura especializada alertou para a cultura falocêntrica (em particular a Ana + Atrevida e os discursos de Jorge Sampaio), Vanessa tem medo de ir à terra e contornar todas aquelas rotundas.

domingo, junho 5

«Who's Next?»

semiburro A primeira cena não é inventada.
Tinha acabado o jogo contra a Eslováquia e o repórter da Sport-TV deambulava pela zona dos Vipes à procura de Vipes (mas ninguém dirá a esta gente que VIP já é plural?).
Primeiro Vipe avistado: Rui Costa, jogador do Inter e «ex» da selecção.
«Então, Rui Costa, que tal foi a sensação de ver o jogo ao lado do pequeno Martunis?»
[Resposta dada, circunstancial, preparava-se o Rui para dissertar sobre o jogo quando o repórter lhe diz: «OK, Obrigado, Rui!», passando logo para novo Vipe.]
Segundo Vipe: Mari Alkatiri, primeiro-ministro de Timor-Leste.
«Então Mari Alkatiri, quando é que Timor terá um estádio tão grande e tão bonito quanto este Estádio da Luz?»
[Resposta dada, vagamente irritada, preparava-se Mari para dissertar sobre as relações Portugal-Timor quando o repórter lhe diz: «Obrigado, Mari!», passando logo para outro Vipe.]
A segunda cena é forjada, embora plausível.
Vipe em trânsito: J.M., treinador de futebol e ícone de Maria Filomena Mónica.
«Então J.M., como é a sensação de ver o jogo a escassas dezenas de metros de Luiz Felipe Scolari?» A resposta foi inaudível, mas o repórter manteve-se imperturbável: «Who's Next?»

Houaiss

Um artigo no New York Observer sobre a última película da saga Star Wars: «post-hippie, pre-New Age, a bathetic mix of teddy bear warriors and a Muppet Zen master, plus the kitschiest pseudo-revelation in modern cinema». Quando A. Sedas Nunes escreveu sobre a crise de subdesenvolvimento das ciências sociais, deveria ter insistido mais na sua apoplexia conceptual.

sábado, junho 4

Três sílabas de plástico, baratinhas

Andam para aí a espetar pregos nos pulsos de um ministro. Previsível. Em terra de pelintras, o único critério moral para julgar regalias alheias é precisamente esse: serem alheias.

Mais um sábado perfeito

Eles não têm namorada. Mas têm tudo aquilo que é preciso para passarem um grande dia juntos: jogos de computador, DVDs-porno e pizzas ao domicílio. No final da tarde, o jogo da selecção com a Eslováquia (ou a Eslovénia, tanto faz) e um campeonato de arrotos. Macho é macho, caneco. E além disso, tal como se diz das formas de cozinhar bacalhau, existem mil maneiras de passar os sábados.

sexta-feira, junho 3

Interrogações de sexta-feira, final de tarde

O que leva alguém a colocar um autocolante da Prosegur na varanda de um 13.º andar? Existe o receio da entrada súbita de um grupo de meliantes com uma escada magirus? (E se tal efectivamente ocorresse, o aviso na parede seria suficiente para os desmobilizar?).

E, afinal, o cosmos aqui tão perto

A mais útil descoberta científica dos últimos anos prende-se com o ranho. Ao que tudo indica, células adultas extraídas de mucosas nasais poderão ter o mesmo potencial para tratamentos médicos que células estaminais provenientes de embriões humanos. E isso é manifestamente positivo. Sobretudo para a Renova e para a Vicks VapoRub, que assim passam a saber antecipadamente do mais que provável boicote dos evangélicos (e de cinco hippies retardados). Mas isto também permite que tenhamos uma noção mais precisa das nossas origens enquanto espécie. É uma poderosa munição para inibir os teólogos. Menorizar os antropocêntricos. Confrontar os criacionistas. Confundir os marxistas. Troçar do 'all mighty' nas preces. E, enfim, propiciar aos homens tantos outros estímulos revigorantes: é que se o ranho encerra virtudes desta natureza, certamente que após uma digna obstipação intestinal já teremos matéria-prima suficiente para colonizar toda a Via Láctea.

Desde a Regeneração e a oposição ao Fontes Pereira de Melo

«[...] Na bancada do PCP, notabilizavam-se as figuras de resistentes que somavam 145 anos de prisão».

Anilingus

Nestes parcos dias que Abóbada carrega no seu B.I., foram alguns os blogues que tiveram a simpatia de linkar para aqui; embora, naturalmente, enviando os respectivos leitores ao engano. O risco é de cada qual, por isso thank you all.

[Neste momento, a última referência do Technorati aponta para este post, cuja extensão é /cu-da-boca.html. Ainda há pessoal que sabe receber bem.]

quinta-feira, junho 2

À conquista de maiorias sociais

Sim, Não







Os referendos negacionistas à Constituição Europeia resultam de uma fraca operacionalização estratégica por parte dos eurocratas de Bruxelas. Para enviesar as escolhas, as possibilidades de resposta deveriam estar desagregadas: «sim» e «não» são conceitos demasiado dicotómicos e não foi para isso que germinou o Renascimento neste continente. Num boletim de voto atento às sensibilidades dos cidadãos, constariam quadrados vários. Permitir-se-ia até 12 apostas (duas duplas e uma tripla) pelo lado do não. E uma ideia unitária pelo lado do sim. Exemplifica-se:
não, porque sou fascista.
não, porque sou comunista.
não, porque sou _________ista [a preencher pelo próprio].
não, porque tenho conflitos de identidade.
não, porque gosto de criar blogues e assim tenho alguns meses de rambóia.
não, porque preferia antes expulsar o Tino de Rans.
não, legalize it.
não, porque há referendos mais urgentes (aos textos do EPC, por exemplo).
não, porque não consegui ler toda a constituição até hoje.
não, libertem Mumia Abu-Jamal.
não?
...

sim, porque a Emmanuelle Béart também vota neste quadrado.
Maioria absoluta com uma aposta simples: mes amis, ainda há instituições europeias potenciadoras de consensos. Et Vive la République!

Blog(ue)ar em 20 lições e coisa [2]

O Marisco vive!
Ponderar as implicações em volta de umas cervejolas.

NB (ou se o Câmara Pereira conseguiu, aqui também há fado)

Há quem possa pensar, por leituras selectivas aqui e ali, que este é um blogue de direita. Ou que este é um blogue de esquerda. Que este é um blogue que gosta de pastilha elástica sem açúcar com sabor a menta/peppermint. Pá, tenham juízo. Acima de tudo, este é um blogue que ainda aspira a sentar-se num dos 230 lugares que rende 3.793 euros mensais + imunidade parlamentar, o que sempre dá alguma segurança para praticar assédio sexual. E lhe permite conhecer algumas prostitutas rijinhas e baratuchas: as políticas. Precisamente por isso, não acorda inequivocamente de esquerda nem é objectivamente de direita. E já arranjou parentes helvéticos de quarta geração (embora, com efeito, masque pastilha elástica sem açúcar com sabor a menta/peppermint).

Dia da vida pós-interina

Parece que o CDS-PP defende a criação do «dia nacional da criança por nascer». Ou seja, 24h para celebrar bolsas escrotais. Javardos. Mas o despudor não seria assim tão radical se houvesse igualmente o dia da vida pós-interina, data lúdica para celebrar todos os entes que já caibam dentro de um frasquinho de mel. No topo da lareira.

Triumph

Sim.

PrimaveraPrimavera












Mas não esqueçam que a Primavera também tem os seus nichos de mercado para combater o deficit.

quarta-feira, junho 1

Ide, gentinha

Este blogue apresentado por este. No feminino e sem html. No próximo sábado, às 18h, na Fnac do Chiado. O dr. rotwang só não irá porque à hora em que decorre o baptismo rititi-em-papel começa o Duarte & Companhia na RTP Memória.

Blog(ue)ar em 20 lições e coisa [1]

blogueando_1
O instante da criação. Possibilidade um.

Soldadesca pink

'I said, young man, put your pride on the shelf...'A D. Eleutéria trabalhou durante anos na cantina de um quartel que nunca existiu. Aí, ela costumava dizer aos mancebos que homens com decoro moral deveriam manter barbas e cabelos limpos. Aparados. Despiolhados. Tinha razão, a D. Eleutéria. É por displicência que bloquistas e comunistas são contra a NATO: no Pacto de Varsóvia permitiram rastas caucasianas e foi o que se viu. Mas - que porra! - o barbeiro escusava de exagerar assim na zona das virilhas.

Engomadora de calças

[PUB] Subiu à Abóbada um folheto de propaganda que resolve um tormentoso problema. Conta que, no passado, «um leal mordomo cuidaria da roupa do seu amo, e dar-lhe-ia calças imaculadamente engomadas todos os dias». Deploravelmente, acrescenta, «hoje em dia» - por causa das modernices dos sindicatos, calculo - já não é bem assim. Porém, Corby, a «engomadora automática de calças», vai agora ocupar-se da tarefa, contornando essa pequena contrariedade. Todavia, confiaríamos nós tal tarefa a uma peça montada, por exemplo, em Alguidares-de-Baixo? De modo algum! Problema à vista? Nenhum, pois «a Corby original é montada à mão, peça a peça, em Windsor». Obrigado, Corby! E cumprimentos ao Príncipe de Gales.

Não passará!

«Uma iniciativa que promete ficar na memória da cidade» é o que se prevê para a noite de 6a. feira no Pátio da vetusta Universidade de Coimbra. Consta que um célebre tenor russo, cujo nome agora me escapa, cantará peças eruditas como «La Donna é Mobile», «Solo Mio» e «Funiculi Funiculá», bem como «Do Choupal até à Lapa» ou «Vivi um sonho». Para o final da função, promete-se «uma grande surpresa», mas o Reitor descansou a população universitária e todas as famílias da Região Centro declarando que essa surpresa «não passará das marcas».

Já soltaram o Guterres

A embaixada indonésia em Camberra foi alvo de um ataque biológico. Fontes não confirmadas indicam a presença de uma substância soporífera nas instalações.



Didascálias [et al]

Um blogue tão cretino como qualquer outro. Um humor à altura. A blogar desde 20.Mai.05.


Santos da casa não fazem milagres

Esquerda, direita e pontos cardeais em geral
Da série marketing da Abóbada #1 #2 #3


Arquivos

Maio 2005  Junho 2005  Julho 2005  Agosto 2005  Setembro 2005  Outubro 2005  Novembro 2005  Dezembro 2005  Janeiro 2006  


At the bottom

Blogue Feed This page is powered by Blogger. Isn't yours?


Quem linka

[versão extensiva]